Tratamento da Obstrução Nasal

A obstrução nasal ou “nariz entupido” interfere na vida do paciente de diversas formas: Entre elas, dificuldade para dormir e praticar atividades físicas, dificuldade de concentração e queda do rendimento no trabalho e escolar. Além disso, a obstrução nasal também prejudica o olfato e o paladar. Por isso, devemos sempre investigar a causa do problema. 

Causas da Obstrução Nasal

 Muitas podem ser as causas da obstrução nasal, tais como: 
  • Rinite
  • Desvio Septal
  • Aumento de Adenóide
  • Sinusite Crônica
  • Polipose Nasal

Muitas vezes, o “nariz entupido” pode ser desencadeado pela associação de duas ou mais dessas causas.

Por curiosidade, muitas pessoas levantam a ponta do nariz na frente do espelho e enxergam duas “bolinhas”. Na verdade, correspondem à cabeça da concha nasal inferior. Essa estrutura anatômica ocupa toda a extensão da cavidade do nariz. No entanto, a pessoa se impressiona com as “bolinhas”, achando que são sinal da presença de adenóides ou de “carne esponjosa”. Em pacientes com quadros crônicos de rinite, a concha nasal inferior acaba sofrendo um aumento de volume. É o que chamamos de hipertrofia, tornando-se a causadora da obstrução nasal nesses pacientes.

Apesar de extremamente desconfortável, a obstrução nasal causada por eventos agudos, como gripes e resfriados, indica que o organismo está reagindo para eliminar o vírus que ataca inicialmente a mucosa do nariz. Instala-se, então, um processo inflamatório. Além da obstrução nasal, gera coceira, coriza e, às vezes, espirros. Esses quadros virais duram em torno de 3 à 5 dias. Quando os sintomas persistem por mais de 5 dias ou progressivamente estão piorando, uma infecção bacteriana, como uma rinossinusite aguda, pode estar ocorrendo. Nestes casos, é necessário buscar orientação médica, preferencialmente um especialista otorrinolaringologista.

Obstrução Nasal Crônica

Quadros crônicos de obstrução nasal possuem diferentes causas. As mais comuns, em pacientes adultos, são a Rinite e o Desvio do Septo Nasal. A grande questão nesses casos é descobrir que tem “maior parcela de culpa”. Isso porque frequentemente estão associados. Porém, o tratamento dessas duas entidades pode ser diferente. 

Um paciente com obstrução nasal causada por aumento do volume das conchas nasais inferiores secundário à rinite pode melhorar através de tratamento com medicações tópicas nasais na forma de spray. Já pacientes onde o principal fator causador da obstrução nasal é o desvio do septo nasal, geralmente necessitam de uma correção cirúrgica (septoplastia) para solucionar o problema. Alguns pacientes com um grau maior de hipertrofia das conchas nasais inferiores pela rinite, mesmo com o tratamento correto com medicação tópica nasal, podem necessitar de uma correção cirúrgica (turbinoplastia ou turbinectomia = redução parcial do volume das conchas nasais inferiores). A avaliação otorrinolaringológca e a decisão de qual o melhor tratamento desses casos geralmente se baseia na história do paciente, exame físico e exame de videoendoscopia nasossinusal.

Obstrução Nasal em Crianças

Em crianças, a queixa de obstrução nasal geralmente se associa à respiração oral noturna (dormir de “boca aberta”), roncos e salivação noturna excessiva (“babar” durante o sono). Quadros mais acentuados podem vir acompanhados de apneia noturna, que são aquelas paradas respiratórias transitórias durante o sono. 

A respiração pelo nariz é muito importante para o desenvolvimento da face, incluindo a arcada dentária. Por isso, nas fases iniciais de crescimento de uma criança, é importantíssimo resolver todos os problemas que possam estar predispondo uma “respiração oral”. Entre eles, podemos destacar: aumento da adenóide e das amígdalas (tonsilas palatinas e faríngea), rinite crônica, sinusite crônica e infecções de repetição.

Adenoide e Amígdalas

A adenoide e as amígdalas fazem parte de um sistema de reconhecimento e defesa de nosso organismo. A função da adenóide e das amígdalas é registrar os possíveis agentes agressores ao organismo que estão no ar. Assim, seguem com a defesa através dos anticorpos. 

Durante os primeiros anos de vida, a adenóide é normalmente grande. A criança está aprendendo a se relacionar com o mundo exterior, captando, registrando e arquivando conhecimentos sob a forma de anticorpos. Essa atividade da adenoide é fundamental, No entanto, muitas vezes acaba por trazer complicações. Seu tamanho atinge níveis que se tornam prejudiciais ao bom desenvolvimento da criança. 

Quando cresce muito, a adenoide pode obstruir a passagem de ar pelo nariz, o que ocorre principalmente à noite. O sono então torna-se agitado. Sem respirar direito, a criança abre a boca, ronca, procura durante o sono uma posição em que respire melhor. Por isso, acorda com frequência e muitas vezes só consegue dormir quase que sentada. O resultado imediato de toda essa dificuldade e agitação reflete-se naquela criança que tem dificuldade em despertar pela manhã . Na verdade, ela não repousou o suficiente durante o sono.

Problemas causados pela obstrução nasal

Desenvolvimento da Criança 

Uma vez que a plena respiração só é conseguida pelo nariz, a respiração oral não é suficiente para uma boa oxigenação do organismo. De fato, as crianças respiradoras orais tendem a ser menores. Além disso, estudos científicos demonstram que possuem rendimento escolar mais baixo que as respiradoras nasais. Tal fato é atribuído à falta de oxigenação cerebral, que pode privar a criança de parte de seu potencial intelectual. 

Existe ainda o fato de que o sabor dos alimentos está diretamente ligado ao seu odor. Quem não percebe a boca salivar na hora do almoço, quando sente um aroma gostoso de comida? Por não ter essa percepção, a criança respiradora oral não tem bom apetite e seu desenvolvimento é comprometido.

Otites e Rinossinusites

Um outro aspecto a ser discutido é o acúmulo de secreções nas fossas nasais. Normalmente, essas secreções são engolidas inconscientemente. Porém, a criança que tem um aumento de volume da adenoide não consegue. As secreções ficam paradas, servindo como meio de cultura para germes. Eles podem agredir o ouvido (causando as otites) e os seios paranasais (gerando as rinossinusites). As infecções tendem a se repetir, sendo esse mais um fator que compromete o bom desenvolvimento da criança. 

Malformações Faciais e de Tórax

Com o passar do tempo, malformações faciais e de tórax podem ocorrer. A passagem de ar pelo nariz é importante para a aeração dos seios paranasais, que vão formar os malares (bochechas). Além de não gerar o estímulo que é preciso para o desenvolvimento dos ossos malares, a respiração oral impede que a criança mantenha a boca fechada. Portanto, a musculatura não faz as pressões necessárias sobre a mandíbula, que se torna pouco desenvolvida. 

A composição entre os dois problemas tem como resultado um rosto que se torna comprido e com a mandíbula curta. Em conseqüência ao mau posicionamento da língua durante o ato de engolir, o céu da boca torna-se alto e há desvio para frente dos dentes da arcada dentária superior.

Todas essas alterações podem ser prevenidas se tratadas adequadamente. O médico otorrinolaringologista tem meios de diagnosticar e tratar os problemas que levam à respiração oral.