Quais os tratamentos para manchas escuras na pele?

Publicado em: 05/02/2020

Manchas escuras na pele

Muitas doenças podem causar manchas escuras na pele. Entre as mais frequentes, estão as provocadas pelo sol, conhecidas como melanoses solares. Os melasmas, especialmente entre as mulheres em idade fértil e gestantes, também são bastante comuns. Até mesmo lesões e cicatrizes mal tratadas podem escurecer e provocar ainda mais prejuízos manchando a pele,  em um fenômeno conhecido como hipercromia pós-inflamatória. 

“As manchas escuras na pele não podem ser ignoradas. Na maior parte dos casos, elas representam apenas problemas estéticos. No entanto, há situações graves, que podem colocar em risco a vida do paciente, como o câncer de pele melanoma” – Dra. Marcela Camera Carreirão, Médica Dermatologista (CRM/SC 18545 – RQE 14991).

Diagnóstico

A primeira coisa a se fazer ao identificar uma mancha escura na pele é consultar um Médico Dermatologista. Nessa oportunidade, o especialista realiza uma anamnese, o levantamento de todo o histórico de saúde do paciente e de sua rotina de cuidados e agressões à pele.

Além da anamnese, o Dermatologista realiza também exames físicos de saúde. Esse é o caso da Dermatoscopia, uma avaliação profunda da pele. Neste exame, analisa-se a situação e evolução das pintas e manchas na pele do paciente. Assim, pode-se realizar o diagnóstico preciso e/ou encaminhar o paciente para outros exames caso necessário.

“O tratamento para manchas escuras na pele deve levar em conta não só a doença ou a estética, mas as características individuais de cada pessoa como tipo de pele, estilo de vida e condições gerais de saúde” – Dra. Marcela Camera Carreirão, Médica Dermatologista (CRM/SC 18545 – RQE 14991).

Câncer e problemas de saúde

Caso as manchas escuras na pele sejam provocadas por doenças como o Câncer e a Hanseníase, o principal objetivo do tratamento será a cura da doença. O Médico Dermatologista poderá conduzir o paciente da melhor forma possível.

“As manchas provocadas pelo câncer devem ser tratadas com muito cuidado. A realização de tratamentos estéticos sobre elas pode agravar ainda mais a doença. Por isso, antes de tratar as manchas escuras na pele é preciso consultar o Médico Dermatologista e conhecer que manchas são essas” – Dra. Marcela Camera Carreirão, Médica Dermatologista (CRM/SC 18545 – RQE 14991).

Tratamentos estéticos

Para os casos em que as manchas escuras na pele são consideradas apenas problemas estéticos, os Médicos Dermatologistas dispõem de uma série de estratégias e ferramentas. 

No geral, após uma avaliação criteriosa das manchas, do tipo de pele e da saúde do paciente, os Médicos Dermatologistas prescrevem cremes personalizados, que devem ser utilizados pelos pacientes em casa.

“São cremes clareadores, com antioxidantes específicos para cada caso. Além disso, os pacientes devem utilizar o protetor solar indicado e – em algumas situações – até mesmo o protetor solar via oral, que potencializa os efeitos do protetor tópico”  – Dra. Marcela Camera Carreirão, Médica Dermatologista (CRM/SC 18545 – RQE 14991).

Procedimentos a Laser

Para que o tratamento estético seja completo e tenha resultados mais satisfatórios, os pacientes podem realizar também alguns procedimentos estéticos a laser. Eles tem como objetivo potencializar os efeitos das substâncias prescritas pelo Médico Dermatologista, provocando um efeito mais profundo e rejuvenescedor da pele.

Luz intensa pulsada

A Luz Intensa Pulsada é usada em diversas áreas do corpo como face, dorso das mãos, colo e pescoço. Indicado principalmente para o tratamento de vasinhos, rosácea (vermelhidão no rosto), melanoses solares (manchas escuras na pele) e rejuvenescimento a partir do estímulo da produção de colágeno.

Laser fracionado

O tratamento com Laser Fracionado remove a camada mais externa da pele que está envelhecida e danificada. Dessa forma, provoca sua substituição por outra mais nova e saudável. Além disso, estimula a formação de colágeno e a remodelação das fibras estruturais do tecido cutâneo. Assim, deixa a pele mais firme e com menos rugas, ameniza manchas escuras na pele, melhora a textura e contrai os poros da pele, deixando-a mais viçosa.

Laser Acroma

Com uma potência menor do que os demais tipos de laser citados acima, o Laser Acroma é utilizado para o tratamento  de melasmas. Além disso, ele provoca um efeito de brilho na pele conhecido como Hollywood Peel. 

“Para que os procedimentos estéticos a laser tenham o efeito esperado, a pele do paciente precisa ser preparada. O laser não pode ser aplicado em peles bronzeadas, em pacientes com infecções ativas como herpes, queimaduras e doenças reumatológicas em atividade. Mulheres gestantes também não são indicadas para esse tipo de tratamento” – Dra. Marcela Camera Carreirão, Médica Dermatologista (CRM/SC 18545 – RQE 14991).

Outros tratamentos para manchas escuras na pele

Além dos tratamentos a laser, reconhecidos pela sua praticidade e eficiência, os pacientes com manchas escuras na pele também podem realizar técnicas como o peeling e o microagulhamento.

Microagulhamento

O Microagulhamento ou Indução Percutânea de Colágeno com Agulhas (IPCA) consiste em produzir múltiplas pequenas perfurações na pele com objetivo de estimular a produção de colágeno ao restaurar a pele danificada. Como não há retirada da camada superficial da pele, a recuperação após procedimento é rápida. 

Peeling

O peeling é um procedimento dermatológico capaz de promover a renovação celular de forma progressiva. Dessa forma, estimula a regeneração natural dos tecidos. O peeling pode ser a laser ou químico. Ambos estimulam a produção de colágeno e elastina, grandes responsáveis pela regeneração celular.

Se você tem dúvidas sobre o melhor tratamento para manchas escuras na pele, agende uma consulta. Na Clínica Carreirão, os procedimentos dermatológicos são indicados de forma personalizada, de acordo com as necessidades de cada paciente.  

Sobre o Autor

Marcela Carreirão
Marcela Carreirão
Formada em Medicina pela Universidade do Oeste Paulista, a Dra. Marcela Camera Carreirão (CRM/SC 18545 RQE 10574 e RQE14991) é especialista em Dermatologia pelo Instituto Superior de Medicina Dermatológica de São Paulo e especialista em Cirurgia Facial, Otorrinolaringologia pelo Hospital Paulista.

Possui título de especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e pela Associação Médica Brasileira (AMB); título de especialista em Otorrinolaringologia pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial (ABORL CCF) e pela Associação Médica Brasileira (AMB).

Também é membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), membro titular da Academia Americana de Dermatologia (AAD), membro titular da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial e membro da Academia Brasileira de Cirurgia Plástica da Face.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *